GuidePedia

1
Informação atualizada em 19/04/2012, às 2h44

No terceiro dia de greve, estudantes fazem manifesto em frente à sede do grupo controlador.

A 22ª Vara do Trabalho bloqueou a conta corrente da Galileo Educacional – grupo gestor da Universidade Gama Filho (UGF) e UniverCidade –, no Rio de Janeiro, para quitar o salário de dezembro do ano passado dos professores demitidos naquele mesmo mês. De acordo com o Sindicato dos Professores do Rio de Janeiro (Sinpro-Rio), o valor – que ainda será divulgado – servirá para que se cumpra o Termo de Ajuste de Conduta (TAC), já que o mesmo, acordado em fevereiro entre o grupo controlador e o sindicato não teria surtido efeito.

Manifestação em frente ao prédio da Galileo Educacional

Imagem: OPINÓLOGO/Diego Francisco

Cerca de 120 estudantes da UniverCidade realizaram um protesto (foto 1), na noite desta quarta-feira (18/4), em frente ao prédio da Galileo Educacional, na Rua Sete de Setembro, 66, no Centro. As reclamações foram: a falta de pagamento dos docentes, banheiros sujos, fechamento e/ou transferências de disciplinas para outras unidades sem que tivessem sido informados com certa antecedência, entre outras coisas. O número de manifestantes é bastante aproximado dos que protestaram em janeiro, no mesmo local.

Observa-se que os alunos de Ipanema e Gonçalves Dias estariam mais participativos nos manifestos. Além desses dois campi, Méier, Madureira e Campo Grande também estariam sem aula. Este último, por exemplo, apenas um professor de Direito deu aula, pois pertencia à UGF, que estaria pagando em dia, segundo uma leitora ao OPINÓLOGO. A unidade Bonsucesso não foi antes mencionada aqui, porque foi fechada. A instituição não teria renovado o contrato de locação em fevereiro recente. Alguns dias depois, o prédio foi adquirido pela Unisuam (Centro Universitário Augusto Motta), que continua sua expansão pelo bairro.

O evento de hoje teve um simbolismo: mostrar a indignação dos alunos com a instituição. No entanto, faltou número para gerar representatividade. Pois, fica parecendo que é um protesto de meia dúzia de gatos pingados, quando, na verdade, é de todos. Até porque, todos, ou pelo menos uma grande maioria, estão sendo afetados: a mensalidade chega na residência “religiosamente”, e o primeiro ciclo de provas semestrais está marcado para a próxima terça-feira (24).

Se Você é um(a) aluno(a) e está se sentindo prejudicado(a), saiba que seu professor mais ainda: muitos sequer têm o dinheiro da passagem – R$ 2,75 – para ir à faculdade. Um deles chegou a comentar com OPINÓLOGO que já estaria constrangido, por causa das cobranças por telefone de: cartões de crédito, luz, água, telefonia, gás, entre outros tributos.

Imagem: OPINÓLOGO/Diego Francisco

O senhor de terno é o chefe da segurança,
que também acompanhou o protesto
de segunda-feira (16), em Ipanema.



Às 19h26, a Polícia Militar chegou ao local, alegando ter recebido uma ligação “anônima”, devido à manifestação. Dois PMs entraram no edifício (foto 2), que estava de portas fechadas, e ficaram conversando por uns cinco minutos com os seguranças. Os militares chegaram a assinar um papel, mas não dá ao certo para dizer o quê. Talvez, fosse a lista de presença, já que todo mundo que chega naquele prédio precisa se identificar.

Às 19h34, os militares saíram para conversar com os manifestantes, que lhes explicaram a razão do protesto. A polícia não pôde fazer nada para retirá-los, porque não representavam nenhum risco aos funcionários da Galileo Educacional. Em segundo, porque a Constituição Federal garante o direito de expressão. Quando deu 19h44, um pequeno grupo de funcionários começou a deixar o prédio. Mas, nada de o pró-reitor aparecer. Seguranças até disseram que ele não estaria no local, porém ninguém os levou a sério.

A greve completa três dias úteis, nessa quarta-feira (18).

Nova manifestação

Estudantes e professores marcaram um novo manifesto, nesta quinta-feira (19), às 10h. O ponto de concentração será o campus Gonçalves Dias, no Centro. De lá, todos farão uma caminhada até a sede do grupo controlador, que fica bem perto dali. Depois disso, seguirão para mais uma assembléia no Sinpro-Rio, agendada para às 13h.

Nova audiência entre Sinpro-Rio e Galileo Educacional

Uma nova audiência teria sido marcada para o próximo dia 25 de julho, na 22ª Vara do Trabalho. Mas, até lá, a pergunta que não quer calar: e os professores que continuam empregados, quando irão receber??? O prazo de 72 horas solicitado pelo pró-reitor da UniverCidade, para que os problemas fossem solucionados, já se acabou há tempo!!!









Postar um comentário

  1. Gostaria de esclarecer que na minha unidade(Freguesia) também não há aulas, muito menos qualquer explicação sobre a situação. Tem pouquíssimos alunos e as turmas são pequenas, não tem coordenador de curso, você noa vê nenhum tipo de direção presente. Não sabemos nem por onde começar...

    ResponderExcluir

Sua opinião será publicada, logo que aprovada, conforme Política de Uso do site.

O OPINÓLOGO agradece o seu comentário.

 
Top